E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

Controle o estresse negativo

Controle o estresse negativo

Muitas coisas que estressam as pessoas estão relacionadas ao futuro e, em alguns casos, podem até ser irreais. Apenas possibilidades e pensamentos inquietantes. Psicólogos e terapeutas especializados em doenças ocupacionais afirmam que muitos problemas de saúde são desencadeados no ambiente de trabalho, mas um dos fatores que mais desencadeiam problemas de saúde relacionados com estresse negativo é o acumulo de tarefas.

Estresse tem sido definido como uma sensação interior quando não podemos responder a um desafio. Foi o que aconteceu com a escritora e blogueira Joyce Figueiró, que tem 21 anos e está no Rio de Janeiro para estudar. Atualmente faz mestrado em Modelagem matemática da informação na EMAp – Escola de matemática aplicada da FGV Rio de Janeiro. Recentemente, ela teve sua rotina totalmente alterada devido aos efeitos negativos do estresse causado pela rotina puxada de estudos e acúmulo de atividades. Ela decidiu lançar seu livro de crônicas, concluir o projeto final de sua graduação e ainda iniciar seu mestrado. O resultado ela mesmo nos diz:

– “Fiquei extremamente cansada, passava o dia todo com sono e a noite ficava agitada e não conseguia dormir direito. Eu acordava cansada e desanimada. Atividades que para mim eram fáceis passaram a ser desafiadoras, eu não me reconhecia mais”.

Dr. Adrian White aconselha em seu livro “Estresse: métodos práticos para recuperar a saúde aplicando a medicina complementar”, diz:
“Ninguém quer sentir-se mal, mas é o que acompanha a preocupação”. Para recuperar a saúde você precisa interromper o circulo vicioso”.

Joyce Figueiró, citada no inicio, fez exatamente isto. Ela nos diz:
– “Resolvi procurar um médico para ver se havia algo errado comigo. Após a consulta ela me aconselhou a mudar minha rotina e minha alimentação. Tomei uma atitude drástica eliminando tarefas e estabelecendo prioridades na minha rotina diária. Também comecei a dizer não para convites inesperados. Tirei o sábado, para descansar e repor minhas energias. Em pouco tempo já me senti melhor”.

Um profissional que vive apagando incêndios o tempo todo e acumula muitas atividades acabará, em algum momento, sentindo fisicamente os efeitos negativos do estresse. Para evitar isto é preciso algumas atitudes:

1. Priorizar e organizar – A palavra chave é priorizar as atividades por grau de importância, Lincoln Oliveira, 36 anos, supervisor de TI da Warner Music Brasil, não só organiza suas atividades, mas ajuda sua equipe e os usuários de sua empresa a fazerem o mesmo, ele diz:
– “Não tem como uma equipe trabalhar de modo organizado se a todo momento atende desordenadamente requisições e chamados. As vezes não é nosso trabalho em si que nos estressa e sim as pessoas desorganizadas a nossa volta. Por isso passei a ensinar aos meus colegas que precisam do suporte de TI, a definirem prioridades e urgências. Além disso,todos os chamados precisam ser feitos por e-mails para que possamos organizar e priorizar”.

Mas mesmo com uma agenda organizada e prioridades definidas, sua rotina diária pode ser interrompida por atividades inesperadas. O que fazer? Controlar as emoções!

David Ryback, em seu livro intitulado – Emoção no local de trabalho aconselha: “Ser emocionalmente inteligente não é ser competitivo nem despreocupado. É saber usar sua sensibilidade emocional seja qual for seu nível de profundidade”.
E muitos profissionais aprenderam a fazer isto, dentre eles, Islan Almeida Neves, que tem 38 anos e atua como consultor de operações da OI. Sua rotina de trabalho em si não é muito estressante, porque ele e sua equipe dominam bem o trabalho. Porém, em seu dia a dia, ele precisa manter seu controle emocional ao atender inúmeros chamados vindos de clientes, que poderiam ser atendidos por outros setores. Islan comenta:

– O relacionamento com os clientes é uma das atividades que gera mais estresse. Na Oi nós temos processos definidos para todas as atividades e às vezes o cliente não entende isto. Em muitos casos alguns problemas são de outra área e são passados para nós, nós sabemos resolver, mas precisamos seguir os processos, porém em muitos casos nós atendemos prontamente ou direcionamos o cliente. Para lidar com estas situações é preciso bom senso e controle emocional, não só para atender e acalmar o cliente, mas para instruir as pessoas que
irão atendê-lo”.

2. Metas pessoais e profissionais – Definir objetivos e expectativas ajuda-nos a direcionar nossa energia e nosso empenho a atividades que impactam mais nossa vida. No entanto, é preciso definir metas de modo correto. Primeiro, elas precisam ser viáveis, porque sofrer além de sua capacidade acarretará mais ansiedade e frustração, pressão desnecessária. Analise sua rotina diária e estabeleça alvos a curto, médio e longo prazo, defina o que você deve fazer para alcançá-los. Deixe a preguiça de lado e empenhe-se, você sentira renovado ao conseguir seus objetivos tanto na sua vida pessoal ou profissional. Concentre nas coisas mais importantes para sua vida, aquelas que farão com que seja mais bem sucedido, assim você evitará desperdiçar sua energia com coisas insignificantes.

3. Respire fundo – Uma das coisas que mais observamos quando lidamos com pessoas estressadas e ansiosas é que elas tem um respiração instável. Quando uma pessoa respira desta maneira, ela diminui o nível de oxigênio em sua corrente sanguinea e simultaneamente não reduz o nível de dióxido de carbono, o que causa uma constrição nos vasos sanguineos em seu corpo. Com isto, seu corpo reduz o nível de oxigênio em seu cérebro, o
que acarreta sentimentos de tensão e mais nervosismo. Por isso é importante dar atenção ao modo como respira. Uma respiração lenta, profunda e rítmica acalma e aumenta o nível de oxigênio em sua corrente sanguinea, além de remover mais dióxido de carbono e levar mais oxigênio a seu cérebro, que responde favoravelmente liberando endorfinas, um hormônio que nos ajuda a ficar mais calmos e relaxados.

É bom ter sempre em mente que em muitos casos não são as situações ou as pessoas a nossa volta que nos estressam, mas a maneira como reagimos a elas, e isto podemos mudar, basta empenho e determinação.
Um abraço,
Marcinéia Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem comentários
Total
0