E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

Depressão – como vencê-la?

Depressão – como vencê-la?

A depressão é uma companheira perigosa e exigente. Nunca está satisfeita, jamais saciada. Sempre nos procura nos lugares e momentos mais impróprios.

Põe em nossas cabeças desejos egocêntricos e perniciosos. Quando relutamos, ela procura reforços. Vai atrás de sua companheira ─ a solidão. As duas se tornam quase imbatíveis, às vezes fazendo grandes estragos. Quanto mais elas destroem, mais felizes e fortes se tornam.

Descobri que elas estão sempre bem alimentadas. Alimentam-se de nós mesmos. Devoram-nos aos pouquinhos e bem lentamente. Quando possível, tentamos negociar, claro, na tentativa de nos vermos livres dessas companheiras. Porém, elas não negociam nossa liberdade e principalmente nossa saúde.

Estão sempre alertas e dispostas. Vigiam em cada esquina. Espreitam para ver se estamos cabisbaixos, ombros caídos ou mesmo chorando. Quando elas se certificam que esse é nosso estado, riem e fazem festa. Cantam e dançam. É assim que elas se sentem vivas e poderosas.

Quanto mais nos debatemos na tentativa de fugir, mais vigilantes elas ficam. Agem quase sempre em dupla. Quase sempre faz trio com outra amiga — A atitude negativa, tornando muito difícil nossa resistência. Muitas Quase sempre não suportamos e nos entregamos aos braços dessas ignominiosas trapaceiras. Elas fazem de tudo para nos aprisionar e tem armas poderosas para isso.

Certa vez fui obrigado a conhecer suas parentas mais próximas, que quase sempre vem auxiliá-las. Com a ajuda da Atitude Negativa, que ia à frente alegre e saltitante, chegamos a um determinado local. Lá estavam, todas à minha espera. Formaram até fila para conhecer-me mais de perto. Na frente, estavam a infelicidade, a maldade e a tristeza. Ao fundo, tentando aparecer, estavam a fraqueza e a indisciplina. A raiva e o medo davam pulos na última fila. Pareciam querer aparecer.

Olhando mais atentamente, pude perceber que me situava num lugar muito seguro, com grandes muralhas e grandes portões de ferro.A depressão toda serelepe, aproximou-se e debochadamente disse: “Obrigado por nos proteger tão bem.”

O que fazer para combater uma família tão poderosa, quase invencível?  Num ato de desespero, comecei a chorar e sem querer, ajoelhei e comecei a clamar por Deus. Foi neste instante que o deboche estampado na depressão começou a desaparecer. Foi então que percebi algo. Só há uma única esperança. O criador de todas as coisas. Nosso grandioso Deus e protetor.

Quando descobri que nosso Pai está à espera apenas que o busquemos, comecei a sentir um grande alívio. Decidi então enfrentar minhas inimigas ─ agora, não mais sozinho e indefeso.Recorri a nosso pai maravilhoso. Com a ajuda Dele, aos poucos, fui vencendo essas inimigas, que me aprisionaram por tanto tempo. Minha alegria, paz e principalmente a felicidade, começaram a aparecer.

Todos juntos, conseguimos derrotar a depressão, que mesmo esperneando, foi obrigada a desaparecer. A solidão veio correndo em seu auxílio, mas a felicidade a liquidou. Minha alegria deu um golpe fatal na atitude negativa. Ela se debateu e estrebuchou, mas morreu rapidamente. As outras qualidades negativas fugiram covardemente.

Então, surge um novo homem. Um homem temente a Deus e com todos os frutos de Seu espírito e carregando o grande escudo da fé. A final, “se Deus é por nós, quem será contra nós”?

 Se você se sente triste e deprimido, cuidado. Elas sempre retornam. No entanto, agora, você já sabe como combater estes inimigos.

Um abraço a todos,

Fernando Fernandes

Texto publicado no  washington Post por  Richard G. Green

www.programacases.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem comentários
Total
0