E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

Lidere e crie uma empresa de Águias – Como liderar na crise

Lidere e crie uma empresa de Águias – Como liderar na crise

 

“Pois esta é a tragédia do homem: as circunstâncias mudam, mas ele não”. – Maquiavel

 

Definitivamente estamos em crise. Isso quer dizer que a “vaca não só tossiu como também foi pro brejo”.

 

E agora? Como bater as metas em um mercado em retração? Segundo últimas informações da FGV, na verdade estamos em pura recessão.  Ou seja, o mercado deixou de ser comprador.

 

Em períodos como esse é “um salve-se quem puder”.  As empresas que não fizeram o dever de casa começam a “cortar”. Iniciam com o que consideram “gordura”, depois vem o restante. “Corte, corte e mais corte” essa é a palavra que mais ouviremos nesses meses à frente.

 

Na verdade, isso já começou com a Construção Civil e a Indústria Automotiva. Milhares e milhares de pais de famílias já estão na rua em busca de novas oportunidades. Todo esse movimento contrário gera o famoso círculo vicioso.

 

No entanto, nesse momento, o que mais nos interessa é saber como poderemos vender e bater nossas metas. Como continuar ativo num mercado estagnado?

 

Kotler, nosso mestre, comenta que em épocas de “vacas gordas” e com dinheiro em caixa, a concorrência é muito grande. As empresas não tem medo de investir. Assim, quando alguém lança alguma coisa de sucesso, é uma avalanche de mesmice sendo lançado atrás.

 

Em tempos de crise, os investimentos mínguam, a criatividade desaparece e no lugar da euforia, pessimismo. Mas, segundo o maior “Guru” de Marketing em nível mundial, esse é um bom momento para se investir. As empresas concorrentes estão avessas ao risco. Isso deixa o campo livre para as empresas com caixa atuarem. Por isso o famoso ditado: “é na crise que se cresce”.

 

Então, se você nesse momento é uma empresa com caixa positivo, mãos à obra. É hora de fortalecer seu relacionamento com seus clientes, ocupar espaços deixados pelos concorrentes, e quem sabe,  até contratar um bom capital intelectual que está sendo dispensado.  Aproveite a concorrência já combalida para crescer. Se tiver oportunidade, aplique um knock out.

 

Agora, se você entrou na crise com caixa furado e não fez a sua lição de casa, lamento. Seu esforço terá que ser triplicado, e mesmo assim, muitas empresas virarão apenas história.

 

O que pode ser feito?

 

1- De alguma maneira, tire seu “caixa” do setor de emergência. Se ele está anêmico é hora de uma transfusão de capital.

 

2 –  Venda algum ativo a fim de poder começar a atuar.

 

3 – Só demita em último caso.

 

4 – Se já cortou toda a gordura e tiver que cortar na “carne”, comece com a sua. Pare de sangrar sua empresa. Suspenda as viagens com a família à Disney. Parece até clichê, mas, quando em crise, alguns empresários teimam em ir para a Disney, Miami e gastam recursos que ele não tem. E isso na maior cara de pau.   Depois, de volta à empresa, como se nada tivesse acontecido, ficam pedindo empenho para seus funcionários.

 

5 – Dê exemplo, seja o exemplo. É isso que seus liderados esperam de você numa crise.

 

6 – Converse abertamente com seu pessoal sobre a situação da empresa. Não peça um pouco mais de esforço, quando você mesmo não está fazendo.

 

7- Evite perder suas suas estrelas para a concorrência.

 

8 – E finalmente, invista na “motivação” de seu pessoal. Não deixe que o pessimismo se instale.

 

 

“As pessoas só lhe darão a  mão se puderem ver o seu coração” – J. Maxwell

 

 

Espero que tenham gostado das dicas. Claro, há várias outras ações que podem ser implantadas, mas aqui consideramos as mais importantes.

 

Grande abraço,

 

Fernando

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comentários
  • FRANCISCO SILVA
    12 de junho de 2015 ás 19:57

    Estamos passando por um momento turbulento, mais é preciso colocar um pouco de racionalidade no sistema. Daqui para frente, teremos que conscientizar e refletir concernente ao papel que devemos exercer, para que saiamos fortalecidos dessa crise, ao invés de destruídos. É preciso que venhamos a assumir uma postura proativa, de forma a utilizarmos as nossas energias para a construção de algo melhor daqui para frente.

  • Acácio V. Vieira
    21 de junho de 2015 ás 10:41

    Olá Fernando, bom dia.

    Compartilho seus comentários e dicas, sou empresário e consultor de varejo, infelizmente os discursos são os mais tristes nas áreas que atuo, os administradores se acovardam diante da crise e apontam como solução os cortes com mão de obra e incham ainda mais os rumores de crise, esquecem dos ensinamentos ou não os teve, enfim, minha empresa trata de crise nas empresas independente dos fatores externos. Lhe garanto que dispensar mão de obra não é a melhor alternativa…!!! A capacidade de recursos são várias, apenas administradores de visão consegue diagnosticá-las e implantar soluções eficazes que farão sucesso e os deixarão na contramão da crise, além de talentos que existem no mercado, recomendo também os serviços terceirizados de especialistas como consultorias e assessorias que poderão ajudá-los em prazos pré estabelecidos.

  • Lendro Salles
    29 de junho de 2015 ás 08:15

    Bom dia Fernando, muito bem colocado seu texto, em épocas de crise devemos trabalhar a vantagem competitiva para alavancar nossos negócios e ao final desse ciclo, tornarmos as empresas mais sólidas e sempres ampliar o conhecimento.

  • Luiz AVELINO
    15 de abril de 2016 ás 10:08

    Percebe-se a sinalização no texto para se ter como resultado uma Empresa de Águias o LÍDER deve estimular, principalmente pelo exemplo, as pessoas a buscarem uma relação com o mundo tendo ações focadas como sujeito autônomo na ATENÇÃO para deixar a mente aberta e alerta, na FLEXIBILIDADE para aprender a curvar-se diante dos fatos, na OUSADIA para tentar e arriscar, na CRIATIVIDADE para fazer diferente e evoluir, na CORAGEM para abdicar da zona de conforto, dominar o medo e realizar escolhas, e no PLANEJAMENTO para desenvolver as melhores estratégias individuais e coletivas na Vida inspirando e multiplicando a prática do exercício da cidadania.

Total
0