E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

O dia em que o LinkedIn engoliu o Facebook

O dia em que o LinkedIn engoliu o Facebook

Por que as pessoas são tão aficcionadas pelas redes sociais? Por que se tornaram tão populares?
Uma das respostas mais óbvias é a interação. Sim, as pessoas têm necessidade serem ouvidas e ver suas ideias valorizadas. E é exatamente isso que as redes sociais fazem. Permite que as pessoas se expressem livremente, e quase sempre, encontram pessoas que compartilham de suas ideias. Grande sacada. Foi uma das maiores invenções dos últimos anos.

Alguém se lembra do Orkut? Sim, Orkut? Pois é, há poucos anos era a queridinha da internet. As pessoas acreditavam que não poderiam mais viver sem ele. Foi uma grande febre mundial. Foi, quero dizer. Foi engolido por um tal de Mark Zuckerberg. Já ouviu falar?


Hoje, a grande vedete, a estrela dominante se chama Facebook, um dos maiores fenômenos do ciberespaço. A febre era contagiosa e se propagou na velocidade da luz. Parece que veio para ficar. Só parece, pois eis que um concorrente, fundado antes mesmo do Facebook, começa a ganhar musculatura e fazer sucesso no mercado mundial. Estamos falando do LinkedIn, uma rede social voltada para o mundo corporativo. De forma lenta, mas sustentável, vem ganhando milhões de adeptos em vários países. Hoje, aqui no Brasil já tem mais adpetos do que o Twitter.

O LinkedIn começou a ser utilizado pelos CEOS’s das mais importantes empresas americanas. A adesão desses líderes fez despertar o interesse de empresas e de gestores até então reticentes. O resultado foi um grande crescimento da rede, tornando-a a queridinha dos líderes americanos. Não demorou muito, para que esse sucesso chegasse a outros países, como por exemplo, o Brasil. No Brasil, muitas empresas estão usando o LinkedIn como uma importante ferramenta na contratação de profissionais, para divulgarem e vender produtos/serviços. Assim como nos Estados Unidos, o currículo de papel está com seus dias contados.

Eu acredito, assim como muitos especialistas, que até 2018 o LinkedIn será a rede social mais utilizada no mundo, transformando o hábito das pessoas. Procurar um emprego nunca mais será feito como ainda vemos hoje. Líderes farão banco de candidatos, usando as informações fornecidas pela rede, e muito mais coisas virão por ai.


O Facebook, será apenas para as pessoas se divertirem, enquanto que no linkedin, faremos cada vez mais negócios, ganharemos cada vez mais dinheiro. Eu, por exemplo, já fiz vários negócios através de minhas conexões. Estou negociando um Workshop em angola, graças a contatos do linkedIn.

E você, já fez seu perfil no LinkedIn? Não sabe como utilizar essa ferramenta? Tem dúvidas? Aguarde o próximo artigo com dicas de como você também pode fazer negócios usando essa ferramenta.
Bem, o linkedin ainda não engoliu o Facebook, mas tem dia e hora para isso acontecer.

Grande abraço a todos,
Fernando Fernandes

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 Comentários
  • ANTONIO CARLOS SILVESTRE
    17 de janeiro de 2013 ás 19:02

    Olá, Fernando Fernandes! Parabéns pelo material.
    Tudo é rotina. Tudo é técnica. Já fiz vários negócios iniciados pelo FB, mas eu desejo desenvolver tais relações comerciais através do Linkedin… Por favor, me oriente ou me informe seus artigos acerca destas técnicas. Desde já, grato.

    PS: Me adicione no Linkedin: Antonio Carlos Silvestre ou antonio@silvestreseguros.com.br

  • Carlos Anjos
    25 de janeiro de 2013 ás 20:41

    É verdade, há algum tempo venho lendo sobre currículos no linkedin!
    É verdade também que empresas tentam buscar por bons profissionais no Linkedin. Mas parece que há uma certa bagunça no site, muitos grupos são criados sem uma finalidade específica, e quem cria não tem muita certeza do que quer e os grupos acabam virando balcão de anúncios de toda espécie. Mas enfim, progrediremos. Acho que pra ficar um pouco melhor e aumentar a interatividade entre profissionais e empresas seria um bom chat, criaria uma dinâmica nova.

  • Leandro Tadeus
    21 de fevereiro de 2013 ás 03:35

    Boa gostei do post vou compartilhar no meu blog

  • Marcos Pires
    27 de março de 2013 ás 11:07

    Fernando … Excelente matéria. Parabéns.

  • Simone Ponce
    27 de março de 2013 ás 11:20

    Fernado Fernandes, bom dia. Quando iniciei no Linkedin, fiquei muito surpresa quando por esta rede fui selecionada a participar de seleção de novos desafios. Mas já há 3 anos, vejo que a rede social se tornou um canal de relacionamento apenas. Já encaminhei e participei de oportunidade de empregos e não recebo sequer um obrigado por participar ou qualquer outra forma de mostrar-me que há um relacionamento profissional. Você manda mensagem e as pessoas não te respondem, ignoram qualquer relacionamento profissional. Eu ainda tenho dúvida se as pessoas entendem mesmo qual propósito deste canal. Com relação aos grupos, concordo com o Sr. Leo. Abraços

  • Hugo Barcelar
    5 de abril de 2013 ás 16:37

    Boa tarde, Fernando.
    É sempre bom ter acesso a artigos bem escritos e sempre atuais.
    Abraço
    Hugo Barcelar

  • Heitor Moreira Ribeiro Filho
    15 de junho de 2014 ás 08:21

    Muito legal..confirmo tenho 25 anos de exp.exclus.com RH-Hunting.Replacement,Outpl,Rec.e Trans.Prof.serv.só pessoalmente.Fiz e faço parcerias com Exec.e Engenheiros..na busca de mudanças e oport.Parabens..Headhobhunter Heitor Moreira BH 31.99916813

  • Claudemir Bueno
    21 de junho de 2014 ás 09:34

    Olá Fernandes, Parabéns, excelente material. O FUTURO já chegou!

  • FRANCISCO CEZAR DE LUCA PUCCI
    22 de junho de 2014 ás 17:54

    A mensagem está ótima e é bem fundamentada. Contudo, a comparação com o FACEBOOK foi equivocada, porque os dois canais têm públicos e propósitos diferentes. Ao contrário da opinião do autor, creio que o “sucesso” do Linkedin é que permanecesse mais exclusivo e menos “popular”, como acentuou bem a Simone Ponce.

Total
0