E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

O lado perverso da Globalização

O lado perverso da Globalização

Eu acredito que a tal da Globalização trouxe algumas coisas boas, no entanto, gostaria de falar sobre o outro lado da moeda. O lado negativo de estarmos tão interligados e interdependentes.

Desde que o homem inventou a comunicação Via Satélite e posteriormente a Internet, a vida no planeta mudou consideravelmente. Essas invenções nos permitiram “espiar por cima do muro”. Conseguimos enxergar com mais clareza as consecuções e os desastres que o homem vem causando ao nosso Planeta. Entramos na tão famosa “era do conhecimento”. O que eu gostaria de saber é o seguinte. Se estamos mais evoluídos, por que destruímos as florestas? Se estamos mais sábios, por que crianças ainda morrem de fome?

Os cientistas americanos gastaram bilhões de dólares enviando sondas ao espaço em busca de vidas em outros planetas. Recentemente, numa entrevista a BBC, um dos cientistas admitiu que foram gastos desnecessários. Nada foi encontrado e nada será encontrado. Enquanto isso, na Suíça, outros cientistas tentam desesperadamente descobrir a origem de nossa existência. Construíram um laboratório sob dois países, denominado Acelerador de partículas, que custou uma fortuna nababesca. Finalmente, à alguns meses, descobriram algo realmente inovador, “a partícula de Deus”.  Caramba, bilhões investidos para descobrirem o que a minha bisavó, analfabeta já sabia? Outra dúvida, se os cientistas são agnósticos e ateus, por que chamaram a descoberta de “partícula de Deus?” Todos esses gastos poderiam ter salvado milhares ou milhões de crianças da zona mais pobre da África.  Mas, essas pessoas são cidadãos descartáveis, os chamados invisíveis. Quem precisa delas?

Mas voltando ao nosso assunto, a Globalização nos permitiu conhecer e usar o “quintal do vizinho,” e fez com que o nosso quintal também ficasse exposto. O resultado tem sido uma competição desenfreada, muitas vezes sem escrúpulos ou ética. O que interessa às nações é vender mais, nem que para isso, milhares de crianças sejam exploradas e expropriadas; desde que, fique tudo debaixo do tapete. Ah, mas a tal globalização acaba expondo esse lado perverso e sujo das nações fazerem negócio.

A Globalização tem nos feito enxergar, infelizmente, que as nações em busca de firmar suas supremacias, estão esgotando os recursos naturais de nosso planeta. Efeito estufa, aquecimento global, desmatamento, serão problemas para as futuras gerações.

Sinceramente, eu preferiria morrer na ignorância. Preferia não saber que meus descendentes não terão oportunidade de viver no planeta que um dia foi chamado de “Planeta Azul”.

Afinal, descobri que os líderes mundiais se distanciaram completamente dos princípios básicos de “liderança”. Se  os líderes mundiais pudessem ser demitidos por má gestão, com certeza, teríamos um grande número deles sem emprego.

“A liderança exige altos níveis de humanidade. Para sermos grandes líderes, precisamos compartilhar nossa humanidade e receber humanidade das pessoas o dia todo.” — Steve Chandler & Scott Richardson.

Um grande abraço a todos.

Fernando Fernandes

www.programacases.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem comentários
  • Rinaldo Allen Chaves
    7 de novembro de 2012 ás 15:02

    Fabuloso.
    Não fosse panorama tão trágico, certo? Concordo contigo que o famoso “senso” tenha sido abduzido ou talvez tenha ido de carona em alguma espaçonave que partiu em busca de alguma coisa que, sei lá, se existe.
    Creio que o comportamento dos lideres mundiais muito se assemelhe ao dos humanos “normais” notoriamente mortais como nós. Buscamos as respostas do lado de fora, quando elas se encontram no lado de dentro. São paradigmas de uma falsa evolução, como a tecnologia que está sendo empregada no Brasil para os eventos esportivos de 2014 e 2016, que, simplesmente ignora os esfaimados, derrotados sociais, pedintes que perambulam pelas capitais brasileiras como fantasmas, como tu mesmo citaste.
    Fico chocado, triste e muitissimo decepcionado com os rumos que os supostos lideres dão às nossas vidas. Tanta tecnologia, tanta pesquisa e tantas prioris mais básicas desatendidas, justamente por não pertecerem a algo que possa justificar o investimento(vida humana).
    Enquanto isso, naveguemos no cyberespaço de nossa ignorância social. De Ipod, é claro.

    • ffescritor
      16 de abril de 2015 ás 23:15

      Rinaldo, peço desculpas por não ter visto seu comentário sobre esse artigo. Às vezes falhamos feio.
      Obrigado por seu belo comentário. Por favor, volte mais vezes.
      Grande abraço,
      Fernando

  • Waldomiro M. Figueiredo Jr.
    7 de novembro de 2012 ás 16:25

    Globalização foi e é vendida pela Mídia como “um avanço”, “boa para o consumidor”, “integração de povos”, etc.
    Realmente do ponto de vista de comunicação, qquer acontecimento aparece no portal de notícias na Internet em pouco tempo. Um rebelde tira uma foto das agressões ao Khadaffi na Líbia e ela esta em todos os portais de noticias do mundo em minutos!
    Mas em economia, a globalização provocou uma acirrada disputa sobre quem consegue produzir pelo menor preço. Esta disputa acaba colocando as fábricas, geradoras de empregos, nos locais onde os custos são menores e existe infraestrutura, normalmente na Asia (na Africa ainda não pois não existe nem a Cultura nem a infraestrutura). Assim vemos uma China manter o reminbi em valores baixos e usar seu povo como mão de obra semi escrava, com um governo ditatorial comunista/capitalista selvagem centralizado e sem sindicatos ou quaisquer defesas para o trabalhador. Mão de obra barata, dinheiro, legislação, tudo feito pelo competente governo chines para trazer os sites de manufatura para a China, movendo sua economia e transformando-a em fortíssimo exportador.
    Mas, a fábrica que abre lá, para citar um pais, em outros ocorrem fatos similares, provoca o fechamento de uma no Ocidente, onde as conquistas sociais levaram a um patamar de vida maior (e não estamos falando apenas dos óbvios Europa e EUA apenas, um engenheiro brasileiro ganha muito mais que um chines…).
    O risco que corremos é ter de achatar muito os direitos sociais obtidos para poder concorrer ou ver o desemprego se elevar…mas achatar direitos em um regime democrático é algo muito difícil ou impossível (vide as dificuldades de Grécia e Espanha)…Daí…será o modelo chines algo a ser exportado? Suplantará o modelo americano e sua Democracia? O que acha? Obrigado.

    • ffescritor
      16 de abril de 2015 ás 23:17

      Luana, que pena que não vi seu comentário a tempo. Peço sinceras desculpas pelo meu descaso. Estou tentando reparar isso.
      Obrigado por seu robusto e profundo comentário.
      Grande abraço, Fernando

  • wilson dreux
    8 de novembro de 2012 ás 00:46

    Mais um excelente artigo, com criticas pontuais retratando uma realidade que está plantada aos nossos olhos. parabens. PRECISAMOS DAR E RECEBER MAIS HUMANIDADE!

  • Luana Borges Rocha
    16 de abril de 2015 ás 21:35

    Nossa, eu me vi escrevendo esse texto, cara perfeito. O mais interessante que ja li ate hoje sobre o mal da globalização, parabéns!!

    • ffescritor
      16 de abril de 2015 ás 23:06

      Venilda Borges, seja bem vinda.
      Muito obrigado por ter-nos visitado e deixado um comentário tão positivo.
      Esperamos poder vê-la mais vezes or aqui.
      Desejamos um bom fim de semana com um grande feriadão.
      Grande abraço,

      Fernando

Total
0