E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

Os 5 conceitos mais importantes do marketing boca a boca

Os 5 conceitos mais importantes do marketing boca a boca

Por Ricardo De Lucia Leite

 

O marketing boca a boca tem o poder de mudar as empresas para sempre. Quando você está comprometido em conquistar o respeito e recomendação de seus clientes, o seu marketing se torna mais efetivo, os seus clientes ficam mais felizes e, na grande maioria das vezes, você também ganha mais dinheiro. Se você está apenas começando na vida empresarial ou se precisa de uma ajuda para relembrar alguns conceitos chave, abaixo estão cinco sugestões para lhe guiar:

 

  1. Seja interessante ou seja invisível
  2. Grandes gastos com publicidade são o custo de ser chato
  3. Resolver problemas é o marketing mais poderoso que você pode fazer
  4. Marketing é o que você faz e não o que você diz fazer
  5. Um real poupado é um real desperdiçado

 

1. Seja interessante ou seja invisível

Nós não conversamos muito sobre produtos medianos, de empresas chatas e com um atendimento ao consumidor medíocre. Se a sua estratégia é tentar ser apenas “bom o suficiente”, você logicamente precisa de uma nova.

 

Ao contrário, faça alguma coisa, no mínimo, fora do padrão, encante as pessoas com o seu atendimento, seja notável. Faça as pessoas desejarem falar sobre os seus produtos e serviços.

 

Se você é um fabricante de pneus e não sabe como ser interessante, foque no conteúdo, foque no relacionamento, ajude seus clientes com informações que possam ser úteis. Seja, acima de tudo, divertido e bem humorado.

 

2. Grandes gastos com publicidade são o custo de ser chato

Se você não for capaz de ser interessante, os consumidores não irão conversar sobre você. Neste caso, você terá que gastar com anúncios em jornais, TV, rádio e sites para que as pessoas saibam algo sobre você, seus produtos e serviços.

 

Claro que há várias marcas que podem e devem fazer isso, mas isto é muito caro e está cada vez mais difícil ser notado. E também é menos divertido, sem relacionamento e emoção.

 

Aqui podemos dar como exemplo o recente caso dos palitos de dentes Gina. Sem pretensão, um estudante de marketing criou uma página no Facebook com nome “Gina Indelicada” e, após certa resistência por parte da empresa detentora da marca, o personagem foi aceito. O resultado foi uma página com mais de dois milhões de fãs, interagindo com a marca e compartilhando conteúdo.

 

Quem imaginaria no passado recente que uma marca de palito de dentes pudesse receber tanta atenção por tão pouco?

 

3. Resolver problemas é o marketing mais poderoso que você pode fazer

Um consumidor nervoso irá contar para cinco pessoas sobre sua experiência, mas um consumidor que foi bem tratado e teve seu problema resolvido irá contar sua experiência para dez pessoas.

 

Encontrar formas de tornar um consumidor chateado num consumidor feliz lhe renderá duas vezes mais recomendações do que fazer um consumidor feliz logo de cara. É paradoxal, mas os serviços ao consumidor, em geral, são tão ruins, que tratar bem um consumidor que está com problemas o deixa tão surpreso, que ele sai contando para todos os seus amigos.

 

Aqui vale um exemplo: Um dia destes estava com um problema na forma de pagamento dos nossos anúncios no Google e precisei enviar um e-mail para o suporte deles. O e-mail de resposta, que não demorou muito para chegar, começou da seguinte maneira, após os cumprimentos de praxe: “Antes de mais nada, meu nome é Carol, trabalho aqui no Google, sou especialista em AdWords e vou tentar te dar o melhor atendimento do mundo!”

 

Eu não estava nervoso com o problema, mas se estivesse, com certeza teria soltado as pedras das mãos antes de responder. Quanto a empresa Google gastou para que eu esteja aqui fazendo publicidade para ela? Nem um centavo!

 

4. Marketing é o que você faz não o que você diz fazer

Você não é o que os seus anúncios, press releases e missão dizem ser. A sua empresa é o que os clientes dizem sobre ela. A sua empresa é a soma de tudo o que as pessoas sentem quando interagem com os seus produtos e serviços. A sua empresa é a experiência do usuário!

 

Aqui temos diversos exemplos mas, os que mais chamam a atenção, são os casos das empresas de telecomunicação. Gastam fortunas com publicidade para compensar o péssimo atendimento ao consumidor. Não adianta anunciar o quão bom elas são, pois sabemos por experiência o quanto elas são ruins. A sorte delas e azar nosso, é que o mercado é muito regulamentado pelo governo e a concorrência é baixíssima, o que garante a sobrevida delas.

 

5. Um real poupado é um real desperdiçado

O quinto conceito resume um pouco de tudo o que falamos. Números que podem ficar bem numa planilha normalmente se traduzem pessimamente no mundo real das indicações boca a boca. Várias empresas tentam economizar um real aqui e ali, mas qual é o resultado disso? Péssimo atendimento ao consumidor e experiências desagradáveis, gerando péssimos comentários e boca a boca negativo. Atendentes despreparados e consumidores irritados.

 

Sempre um fator a ser lembrado na matemática do marketing boca a boca, independentemente do que a sua planilha possa refletir em termos de resultados financeiros, é que ela nunca poderá lhe indicar o quão idiota você pode estar sendo com seus clientes.

 

Grave bem: um real “economizado” no relacionamento com os clientes será no mínimo dois reais gastos em publicidade para tentar recuperá-lo, em muitos casos, sem conseguir.

 

Portanto, independentemente de você vender produtos de alta tecnologia ou commodities, o seu diferencial estará no relacionamento com os clientes e na oferta de conteúdo!

 

Deixe um comentário!

 

Fonte: WordofMouth.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 Comentários
  • Ronaldo
    14 de outubro de 2013 ás 19:19

    Muito bom

  • Frankc José de Andrade Medeiros
    17 de outubro de 2013 ás 15:49

    Excelentes dicas. A que mais gostei, no entanto, foi a quarta que diz que marketing é o que você faz e não o que diz fazer.
    Ao receber com dignidade um cliente, prestando-lhe todas as informações possíveis a respeitos dos produtos de seu interesse, não mentindo e sendo solícito, dando apoio ajudando-o realmente a comprar, o cidadão estará fazendo um belo marketing.

  • Gilberto
    17 de agosto de 2014 ás 14:07

    Concordo, e o bom atendimento inclui aquele que divulga (Gasta com propaganda) sua loja para que todos venham comprar e ele mesmo e seus funcionários, chegam cedo e estacionam bem em frente a porta para garantirem as suas vagas, não deixando espaço para os cliente.

  • Jose Ronaldo de Oliveira
    12 de setembro de 2014 ás 14:01

    Excelente matéria. Verdadeiramente correta. Como se diz o ditado antigo: o cliente, prospecto, tem sempre razão. Seja Empático com todos. Lhes dê sempre atenção.

  • Welington Marcondes
    5 de novembro de 2014 ás 14:05

    Sinceramente gostei de tudo o que li e realmente o que faz a empresa é essa relação empresa – cliente , onde os quesitos , atendimento ,
    qualidade no produto e qualidade na pós venda , faz toda a diferença no final das contas.

  • Luciana
    22 de março de 2015 ás 05:23

    Obrigada por essas dicas valiosas. Eu já tinha uma ideia sobre elas e seus exemplos foram muito significativos para me conduzir a uma maior reflexão sobre o que fazer e o que não fazer em relação ao marketing. Valeu!!!

  • Victor Simões
    2 de setembro de 2015 ás 11:52

    Obrigado pelo artigo!
    Muito Bom! Muito Bom Mesmo!

  • Andrea S Blanes Pauli
    28 de março de 2016 ás 00:31

    Trabalhamos com Marketing de Indicação e fidelização comercial, os dois melhores conceitos unidos em uma só ideia!
    lyonessinteriorsp@gmail.com
    http://www.mylyconet.com/85049620/

  • Bianca Caroline Zwetsch
    31 de agosto de 2016 ás 16:17

    Obrigada por compartilhar esse artigo. Ótimo! Tudo é verdade mesmo ….

Total
0