E-mail: cases@programacases.com.br
Siga-nos:
Topo

Por que demitir precisa ser tão complicado?

Por que demitir precisa ser tão complicado?

Quando escrevi no meu Blog o artigo "Fui demitido e agora?" não imaginava o impacto que o artigo causaria. Recebi centenas de respostas interessantes. No entanto, quase todos os demissionários, reclamaram a "forma" de como as coisas aconteceram. Por isso, achei interessante falar sobre esse tema.

Lamentavelmente, a grande maioria dos líderes não lida muito bem com o tema "demissão". Empurram com a barriga a decisão e esticam a corda até onde for possível. Enquanto isso, na empresa, o funcionário que pressente o problema, parece um "morto vivo" apenas à espera da decisão fatal.

Finalmente, quando o responsável pela má notícia é acionado, o funcionário recebe a notícia da pior maneira. De forma fria e quase sem pudor, é informado que seus serviços estão sendo dispensados. Nem uma palavra de encorajamento, nenhum alento ou algum gesto de empatia. E o problema é quase empurrado escada abaixo, e pronto, trabalho sujo realizado.

Caros amigos, as coisas não precisam ser dessa maneira. É claro que as empresas tem o direito de demitir pessoas, mas não precisa ser como um carrasco com seu machado afiado. Liderança eficaz é exatamente o oposto. Tratar as pessoas com respeito, mesmo nesses momentos delicados, pode produzir um efeito positivo na pessoa que está sendo demitida. E principalmente, nunca jogue a culpa em outras pessoas. Como disse muito bem Jim Collins, "faça autopsias, mas não jogue a culpa nos outros".

Jack Welch comentou várias vezes que demitir um funcionário é complicado e muito difícil. Mas pode ser feito de maneira honrosa e digna para quem está sendo demitido. Um bom líder, atento e comprometido com sua equipe, sabe lidar muito bem quando precisa dispensar alguém. Segundo especialistas, um líder nunca posterga a decisão de demitir um profissional. Sinceramente, não há razões para não dar a notícia tão logo seja possível. Quanto mais postergar, mais difícil será. Só para terem uma ideia de como andam as coisas, acabo de saber por uma reportagem do Uol, que os funcionários da WebJet souberam que estavam demitidos em pleno vôo. Ainda outro caso grotesco: uma jornalista ficou sabendo de usa demissão pelo Facebook. É um absurdo.

Não esqueça que o mundo é redondo e gira. Amanhã poderá ser você a ser demitido. Trate seus colaboradores, da mesma maneira que gostaria de ser tratado. Quando as pessoas percebem que trabalham para um líder que trata com respeito pessoas que são demitidas, sentem-se mais confiantes e dispostas a serem lideradas.

"Um líder eficaz, trata as pessoas com respeito, nos bons e maus momentos." – Fernando Fernandes

Grande abraço a todos,

Fernando Fernandes
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

24 Comentários
  • MARLENE PIRES
    25 de novembro de 2012 ás 14:19

    Boa tarde!
    Que ótimo assunto a ser abordado.Sou uma líder e tenho muito cuidado quando preciso demitir um funcionário.Sempre procuro a melhor maneira e faço o possível para não prejudicá-lo com seus direitos.Essa preocupação tem que existir,pois estamos lidando com seres humanos como nós e jamais devemos fazer aos outros o que não gostaríamos que fizessem conosco.
    Tenha um bom domingo!!

  • Patricia
    26 de novembro de 2012 ás 20:01

    Marlene,

    Os direitos dos empregados, inclusive os seus, estão assegurados pelas leis, mas nunca vi realmente gestos de encorajamento.

    Hoje participei de um treinamento e houve um vídeo onde o palestrante dizia que há pessoas que são demitidas devido a empresa não poder mais reconhecer os seus talentos. Ainda não tenho opinião formada a respeito, mas imagine um funcionário ser bom no seu trabalho e por causa de não poder ter mais reconhecimento, ser demitido, ainda da maneira como as empresas/pessoas normalmente fazem.

    Pontos positivos para você que tenta fazer o diferencial neste momento tão delicado para o colaborador.

  • Vinicius
    27 de novembro de 2012 ás 09:23

    concordo com genero numero e grau,
    quando se trata um colaborador com humanidade,o lider esta dando á ele uma oportunidade de buscar algo melhor, seja profissionalmente ou pessoalmente.

  • Ricardo Augusto Rodrigues
    3 de dezembro de 2012 ás 16:53

    Achei muito interessante a sua colocação e um ótimo artigo!…

    Parabéns!…..

  • Gláucia Castro
    4 de dezembro de 2012 ás 16:51

    Olá!
    Fernando, parece que virou uma febre demitir no fim do ano, mas nós sabemos que se eles quisessem poderiam reveter a situação, tudo isso na minha opinião é falta de planejamento e reserva de capital, porque se o negócio vai mal, porque não se previnir antes, mas não adianta, ficaríamos horas aqui falando sobre esse assunto e vararíamos a noite…kkk
    A falta de respeito com o melhor capital da empresa continua, uma pena, mas vamos continuar tentando quem sabe uma hora essa estatística mude.
    Abçs.
    Gláucia Castro

  • Alexandre Salema
    6 de dezembro de 2012 ás 07:18

    Caro Fernando

    Realmente demitir e para mim uma tarefa difícil. Entendo que para muitos também o seja.
    Uma forma que vi de “resolver” esta questão foi implantar a “meritocracia” e a curva forçada com feedback constante. Isso acabou sendo bastante positivo, pois todos sabiam se estavam ou não performando.

    Aqueles que estavam com baixa performance era dado um tempo para reverter e era feito um acompanhamento constante.

    Assim, eu costumava dizer que a empresa não demitia mais, os profissionais que se demitiam.

    Um ótimo dia!
    Vamos que vamos, sempre em frente!!!!
    Abs
    Alexandre Salema

  • Jenifer Rona
    10 de dezembro de 2012 ás 22:56

    Realmente uma demissão nunca é facil de ser informado, mas temos que passar de uma forma que os colaboradores não sintam que foram simplesmente descartados mas que entendam que se houve uma demissão existe um motivo (seja por redução de custo ou comportamento etc…) Tenho como base que todo ponto negativo tem um positivo por mais dificil que seja. Faço colocações do momento como uma forma de aprendizado, um crescimento profissional mesmo que negativo e parabenizo pelos pontos positivos…. deixo claro que sempre foi importante para a empresa e que o RH sempre estará a disposição para auxiliar no que for necessário como informações de referencias profissionais para se sentir a vontade em buscar novas colocações no mercado de trabalho.

  • Mariluci Alves
    12 de dezembro de 2012 ás 19:57

    Fernando, hoje foi a minha vez! Fui demitida e sinceridade, aconteceu dessa maneira como você descreveu… mas o meu algoz estava bem mais nervoso que eu… aliás… não fiquei nervosa, fiquei é com vontade de dizer tudo o que eu pensava… mas não valia a pena! Nem um pouco… no final, sempre o que vai ser lembrado são seus erros e nunca todo o seu trabalho, dedicação… e para pessoas folgadas, por mais que você faça, nunca vai ser o bastante. Eu fiquei foi muito feliz com a minha demissão, pois depois de toda a experiência ruim, o que ficou de bom é que além de conhecer algumas pessoas que valem a pena, eu já sei que posso trabalhar com qualquer tipo de pessoa. Abraços.

  • Fernando Mello
    27 de dezembro de 2012 ás 15:01

    Estou prestes a ser demitido. A empresa que trabalho trocou a pouco tempo o Diretor Geral. Ocorre que ele tem demonstrado, por meios de frases de efeito, os seus descontentamento com funcionários antigos na Empresa ( a quem ele trata como “Aqueles com comportamento de Senhoridade”.
    Entendo que o mesmo monte sua Equipe, que ele possa colocar na Empresa “os seus”.
    Acredito que nesse momento a frieza faça parte desse momento. Temos que ter a noção que o Negócio não é nosso, que nao somos os Atores Principais daquele filme, que ele precisa mostrar que aquele funcionário contratado por ele “deve um favor”, em ser parte da Equipe.
    O ruim nesse momento é que voce fica sem um norte, uma linha que voce possa se dirigir, ser orientado, até porque nao existe interesse por parte do Diretor Geral em continuar com a Equipe “velha”.

  • macos ramos
    2 de janeiro de 2013 ás 14:46

    O problema é a síndrome da rainha de copas….

  • José Zulmar Lopes
    17 de abril de 2013 ás 10:29

    A regra de ouro, aqui, é nunca, jamais e em nenhuma circunstância demitir uma ou mais pessoas sem pensar antes, criteriosamente, nos efeitos práticos – e imediatos – que a demissão terá na vida real do demitido: problemas financeiros, baque psicológico, humilhação, angústia e toda sorte de inseguranças que podem resultar ainda em prejuízos à saúde.
    Depois, a pior propaganda no mercado é reclamação de funcionário, principalmente se a pessoa for formadora de opinião

  • Éder Alexandre Jung
    17 de abril de 2013 ás 16:19

    Concordo contigo Fernando, pessoas precisam ser tratadas com humanidade e respeito e não descartadas como se fossem coisas ou objetos. Nunca tive a experiência de demitir ninguém, mas já fui demitido várias vezes e posso assegurar, é uma das piores sensações que um ser humano pode ter, em grande parte devido à falta de sensibilidade e consideração por parte de quem efetua a demissão.

  • Lidya
    18 de abril de 2013 ás 15:32

    Comigo aconteceu o mesmo,a diferença é que a superior além de não saber ser lider ela trata uns como se fossem a “the best” e outros inferiores.
    Misturando seu trabalho com seu lado pessoal.
    O que fazer com essa situação?
    Onde existi um “puxa saco”?

  • Saulo Silas
    18 de abril de 2013 ás 16:35

    Eu estava algum tempo desempregado. morava sozinho com minha filhinha foi numa epoca de uma crise de emprego no pais,o dinheiro foi acabando fiquei com anemia quase profunda pela ma alimentaçao,logo fui contratado por uma empresa que me conheceu atraves da empresa que prestava serviço pra mesma,fui contratado por ser uum bom profissional na minha area de trabalho,fiz de tudo pra nao transparecer a situaçao que eu estava passando,as vezes trabalhava sem almoço;pra nao faltar a minha filinha,ate chegar o primeiro pagamento, mais com 30 dias de serviço fui despedido sem mais nem menos;nao me deram uma esplicaçao do porque! anteriormente desenvolvia trabalhos pra eles que nem engenheiro formado conseguia desenvolver! e sem uma esplicaçao me despediram!!!ja se faz uns 15 anos, e ate hoje sou um pouco magoado com isto!

  • André Novaes
    18 de abril de 2013 ás 19:04

    Há vida lá fora..e como há..
    Trabalhei 10 anos numa empresa quando recebi a notícia da minha demissão. Vale a pena agregar essas experiências e descobrir que temos uma “vida lá fora” e que outras oportunidades aparecerão.As palavras mais bonitas de um chefe, não interferirão nos seus sentimentos..então abs e bola pra frente…

  • Lucilene
    22 de maio de 2013 ás 09:31

    Ola Fernando, bom assunto. Ja fui demitida por um bom lider igual ao que mencionou. Foi triste eu sair da empresa, sim foi, mas a pessoa era tao humana, que nao foi traumatico, no outro dia estava bem e motivada para procurar outro emprego. E ate hoje somos amigos eu e este lider. Pois foi tudo feito com atençao e respeito!

  • Carlos Silva
    2 de setembro de 2014 ás 11:11

    e quando você chega em uma segunda feira ao serviço, seu supervisor pede pra vc entrar no email dele resolver uma das questões q ele não da conta de resolver, você da de cara com um assunto de email dizendo FULANO DE TAL já está APTO PARA DEMISSÃO em ##-##-2014 rsrs ai não tem como vc não ficar igual um zumbir esperando a noticia chegar pessoalmente.

  • rozane de carli
    18 de novembro de 2014 ás 22:13

    Olá gostei muito deste asunto,realmente interesante um tal que ninguem quer dar a noticia e nem ouvir né,
    Eu trabalhei 14 anos em uma importadora de produtos alimenticio sendo autonoma assalariada recebia regorosamente em dia .eu gostava muito deste trabalho mas infelizmente no dia 10/11/14 o representante que eu coloquei na empresa.
    Me dey a truste informaçao qye eu estava dispensada.e qye a empresa nao sabia nem o porque e nem quem me colocou na empresa ,me senti uma funcionaria fantasma.e agora naoficoy td por conta do representante..e a empresa nem se pronunciou ate pedi uma carta uma recisao de contrato.e se negaram ,
    Agora pergunto como conseguiram me pagar por 14 anos e so agora me duspensar.e aunda falar qye eu nai tenho nd a receber…gente.to destruida.

  • Cassiano
    28 de novembro de 2014 ás 19:39

    Parabéns pelo artigo.

    Eu já passei por uma situação desagradável como essas. eu sou Analista de suporte e na época estava estava trabalhando em uma multinacional e em um certo dia tive que trocar o note da gerente de RH ( que por sinal, não tinha o menor feeling com pessoas) e não sei se devo colocar como sorte ou azar (eu já não queria mais ficar na empresa porem pedir demissão não seria bom pois eu tinha 5 anos de empresa e a empresa não era adepta a fazer acordos, mesmo assim, por sorte ou não, quando estava configurando o e-mail dela, entra os e-mails que ela recebeu na semana e um e-mail específico falando de mim com o meu chefe( como era empresa multinacional, eu reportava para fora, e-mail em inglês e tal, toda a quela coisa) sei o que deve e não deve ser feito porem não tinha como não ver esse e-mail e fiquei sabendo que eu seria demitido quando eles encontrassem alguém para me substituir. Mesmo não querendo mais ficar na empresa, você leva um choque, um tapa na cara ( e sinceramente, foi bom ), fui almoçar, colocar a cabeça no lugar e voltei para o trabalho porem a partir daquela hora, virei um funcionário pragmático, fazia o que eu tinha que fazer, nenhum milímetro a mais. Claro que não contei para ninguém e o pior, várias vezes, prestando suporte ao pessoal da empresa, peguei meu ex-chefe no local fazendo entrevista com outras pessoas, não fizeram questão nem de esconder o fato, mas por mim não importava mais, continuava a fazer o que eu tinha que fazer e só, saia no horário certinho, nenhum minuto a mais, virei algo que eu repudiava. Chegando final de ano, o clima na empresa geral estava péssimo, já pedi 30 dias de férias, quando voltei, trabalhei mais alguns dias e fui demitido.

  • Elaine
    18 de fevereiro de 2015 ás 08:36

    Achei muito interessante o tema, entretanto, tenho a ressaltar o seguinte : Acho muito difícil os chefes demitirem as pessoas por que nem sempre os motivos são justos e claros. Eu por exemplo na última empresa que trabalhei fui demitida por “medo da concorrência” e em uma anterior para ser substituída por uma pessoa mais jovem e bonita. Daí certamente a dificuldade em explicar esses tipos de demissões.

  • Mario Morelli
    18 de fevereiro de 2015 ás 18:12

    Boa tarde.
    Você colocou muito bem este assunto, um problema crônico que é a tal de demissão e de como ela é informada ao funcionário.
    Trabalhei por anos em uma multinacional e a minha não foi diferente de ninguém. Estava viajando a serviço e numa certa quarta feira já no hotel as 20:00 horas e com uma reunião já agendada para quinta no cliente para negociar um orçamento, onde seria tratado o desconto e condições de pagamento e prazo de entrega, recebo uma ligação da minha gerente me chamando para uma reunião na empresa no dia seguinte as 10:00 horas.Fiz o comunicado a ela da minha reunião com o cliente e a mesma quase indignada, pediu para ir na quinta na empresa e abandonasse o cliente.
    Ali senti que era a minha demissão,tanto que brinquei com a situação e disse se haveria de levar a minha carteira junto.
    E a resposta: Ha certos assuntos que se deve tratar pessoalmente.

  • CLAUDENICE APARECIDA DAYRELL NICOLAU
    19 de fevereiro de 2015 ás 08:23

    Achei a matéria muito interessante, trabalhei numa empresa onde uma das diretoras fazia um verdadeiro massacre com o funcionário ao mandá-lo embora. Horrível isso. Este assunto parece simples mas deve ser mais abordado. Parabéns pela matéria.

  • Rafael
    7 de janeiro de 2017 ás 19:01

    a proposta de trabalhar com referencial é interessante, mas a realização é importante quando todos estão juntos neste momento.

  • Mathiusca
    9 de janeiro de 2017 ás 15:50

    É necessário que o gestor seja humano além de tudo.

Total
0